quinta-feira, 15 de abril de 2010

Falecimento do Professor Marco Antônio Cavalcanti da Rocha

É com grande tristeza e pesar que trazemos a notícia do falecimento hoje de Marco Antônio Cavalcanti da Rocha. Abaixo trazemos o e-mail enviado pelo Eurico Figueiredo nos informando da morte.

Prezados colegas,

Com muita dor e pesar informo que faleceu hoje, em Brasília, por volta das 13 horas, vitimado por um segundo ataque cardíaco, o nosso querido Marco Antônio Cavalcanti da Rocha. Como seu colega de trabalho, pude testemunhar, durante os últimos cinco anos, período em que ele permaneceu na nossa UFF, redistribuído que foi da UFRN em 2005 para esta universidade, sua inteligência, sua cultura, sua capacidade de liderança. Distinguia-se pela gentileza das atitudes, pela elegância das palavras, pela correção da conduta, pela cordialidade no trato com todos. Como Chefe, eventualmente vítima de incompreensões injustificadas, procurava entender as circunstâncias para melhor se confortar. Era magnânimo, generoso, dadivoso. Seu rumo de ação era informado pelo espírito aberto e pela invariável boa vontade. Ostentava o maior dos títulos entre os homens: a bondade.
Marco Antônio iniciou sua vida profissional como jornalista, trabalhando entre outros jornais, na sucursal nordeste da Folha de São Paulo. Logo em seguida, por concurso, ocupou o cargo de Técnico em Desenvolvimento da SUDENE. Ingressou na UFRN e chegou ao cargo de Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação. Convocado pelo governo estadual do RN, foi Diretor-Geral do Departamento Estadual de Estatística e, logo depois, no plano municipal, Secretário de Planejamento e Coordenação Geral. Foi Diretor Regional do SENAI. No MEC, entre outras altas funções, assumiu a Secretária de Assuntos Internacionais e foi também assistente de avaliação da CAPES. Ocupou, durante 22 anos, a Direção da Fundação Fullbright no Brasil. Falava e escrevia fluentemente em inglês, francês e espanhol, e conhecia bem o Italiano, o Alemão, o Grego (Demótico) e o Hebraico. Foi Chefe do Departamento de Ciência Política da UFF desde 2006. No cumprimento de suas atividades profissionais esteve na Alemanha, Angola, Argentina, Bélgica, Canadá, Chile, Colômbia, Equador, Espanha, Estados Unidos, França, Grécia, Israel, Itália, México, Moçambique, Portugal, Suíça, Uruguai e Zimbábue.
Ao falar com sua filha Daniela, poucos minutos atrás, ela resumiu o homem que a família perdeu: "guardarei meu pai como exemplo de bom filho, bom pai, bom marido que nos últimos tempos se transformou no mais terno e doce dos avôs".
Peço ao professor Thomas Heye que dê notícia desta nota ao corpo discente do Curso de Graduação em RI e à Secretária do PPGCP que a circule entre os alunos de Mestrado e Doutorado. Por certo o professor Vágner Camilo Alves, Coordenador do PPGEST, que no momento não se encontra no Rio, concordará que ela deve também chegar aos alunos do Programa sob sua responsabilidade.
Estou triste e abalado pela perda do colega que se tornou meu querido amigo e parceiro. Em uma das suas últimas mensagens a mim endereçadas resolveu chamar-me de "mano". Recebi a palavra como alta condecoração.
Mante-la-ei na memória para sempre. A ausência de sua presença faz-se densa.

O abraço forte do Eurico

Eurico de Lima Figueiredo
Coordenador
Programa de Pós-Graduação em Ciência Política

3 comentários:

Paulo disse...

Fiquei bastante triste com a notícia do falecimento do marido de minha tia Ionis, Marco Antonio, no dia de ontem.
Acrescento aos comentários do Prof Eurico minha observações sobre ele, que para mim foi o homem mais educado que conheci, com gestos simples no dia a dia, mas com uma elegância em todos os momentos do nosso convívio.
Nas poucas conversas que tivemos na praia de Barra do Rio, em Natal-RN, onde possuia uma casa, sempre aprendi com suas análises e observações sobre diversos asssunto. Também era sua característica estar munido de um livro, de assuntos diversos, buscando somar mais conhecimento sobre a vida, seja na filosofia, história, economia, etc.
Sua paixão pela tia Ionis sempre foi para mim seu ponto mais forte, demonstrando paciência, amor e acima de tudo companherismo, tanto nos momento de alegria como de tristeza.
Falta-me palavras para definir Marco Antonio, pois todas que conheço não são capazes de demonstrar tão bom o homem que foi para sua família e todos aqueles que estavam próximo.
Peço a Deus que dê conforto a todos nós pelo momento difícil que iremos enfrentar sem a presença do meu tio afim Marco Antonio.
Paulo Trigueiro

Dora Bortone disse...

O vazio que fica não pode ser substituído... Um grande homem, exemplo em palavras, gestos e conhecimento... Terei grandes lembranças do Tio Marco Antonio... Do homem integro que sentava ao meu lado e com sua suave voz me dava conselhos... Do homem sincero e educado que me ensinou o comportamento de um sábio lider... Do homem calmo e delicado...

Saudadeees!!!

Esmeraldo-Dinho disse...

Estou muito triste com o falecimento de meu primo Marco Antônio Cavalcanti da Rocha.A imagem que guardei dele foi de uma pessoa do bem.Marco Antônio era extremamente educado e cauteloso em tudo que dizia e fazia.Eu costumo dizer que ele foi uma das melhores pessoas da família de minha mãe Lucy Cavalcanti Villas-Boas.Era meu primo pelo lado da família Cavalcanti, minha mãe Lucy Cavalcanti Villas-Boas é irmã da mãe dele Edith Cavalcanti da Rocha.Minha mãe está muito abalada pois segundo ela esse seu sobrinho tinha a maior virtude de um homem que era a bondade.Como eu, ele também era advogado, mas acima de tudo era um homem extremamente ligado a família e a cultura.A missa de 7º dia do primo Marco Antônio será hoje 21/04/2010 na cidade de Natal-RN na Igreja Santa Terezinha no bairro de Petrópolis.Aqui fica minha homenagem e o meu respeito ao primo Marco Antônio.Esmeraldo Cavalcanti Villas-Boas.

Busca